Posts Tagged ‘Unioeste

10
nov
08

semana da música em cascavel

Semanas iniciam sem pressa. Quem tem pressa somos nós que nos amontoamos nos dia-a-dia para tentar fazer tudo o que é possível nas 24 horas. Sempre o mundo continua na mesma lentidão. Nesta semana, para sair da “mesmice”, há muito que fazer na cidade. Para os mais tradicionais a Expovel, para os amantes de música, Viva o Som e Cascavel Jazz festival. Para aqueles que não pretendem sair de  casa nos próximos dias há uma outra opção bastante atraente: ler a Gazeta ALT que chegou ontem nas bancas do Estado.

Na edição de ontem, nas páginas centrais, duas matérias assinadas por mim e pelo Anderson sobre os dois eventos musicais desta semana. De um lado a música e as artes plásticas do Viva o Som e do outro o jazz inebriante do Cascavel Jazz Festival. Também, para complementar, os espaços Emblogado e Mundo Sebo, assinados pela Julliane. Para o espaço do Disco Compacto o relançamento do CD de Michael Jackson, Thriller, foi o objeto de análise. Na página sete um artigo sobre John Locke do Dr. José Luiz Ames, professor da Unioeste de Toledo. Por fim, na página oito, o restante da viagem feita pelo Jeff e pelo Ander a São Paulo por ocasião da 32ª Mostra Internacional de Cinema.

O vídeo acima é uma indicação minha. Eu pretendia colocar outro vídeo de algumas das bandas que estarão nos eventos musicais desta semana, mas como não houve muita receptividade na semana passada, coloco hoje um vídeo da mais nova música de Cyndi Lauper. Podem me apedrejar sim, mas a mulher é fogo. Com 55 anos nas costas continua cantando e agora está em turnê mundial passando pelo Brasil neste mês. Cidades como Curitiba e Porto Alegre estão nos circuito da cantora. Para os mais velhos que gostavam ou gostam de Cyndi, “Into the Nightlife” (música do vídeo deste post) está um pouco diferente das antigas como “Hey Now”. Apreciando ou não a diva pop, vale a pena conferir o hit. Boa semana a todos, Oniodi.

26
set
08

pracinha de guerra

O futuro do planeta estava nas mãos dos Aliados. A Europa já não era mais um lugar habitável. Eu estava sem norte. A situação me abalou bastante. Tive que abandonar o meu trabalho em um escritório e partir para o treinamento. Despedimo-nos do Brasil no Rio de Janeiro. Era setembro de 1944. Algumas semanas de viagem no navio e desembarcamos em Nápoles. A cidade já estava tomada por americanos e ruínas era o que restava daquele centro urbano. Nosso destino não estava ali. Mais ao norte o inimigo ainda mantinha posições firmes e nosso objetivo era aprisioná-lo ou expulsá-lo dos territórios italianos.

De Nápoles partimos para o norte. Passamos por Pizza e em Livorno no estabelecemos. Obedecíamos aos americanos. A comunicação era ruim, não falávamos e nem entendíamos bulhufas daquela língua. Um pouco de italiano sim, pela criação. Mal chegamos e logo também chegaria o inverno. Além dos alemães, esse foi o pior inimigo. A neve não deu trégua. Naquele inverno fizemos a primeira ofensiva no terceiro dia de dezembro de 1944. Ao cair daquela noite chegávamos nas proximidades da pequena cidade de Porreta, ao longe se via uma grande montanha que se prolongava para a esquerda e direita até perder-se de vista. Na encosta dessa montanha tinha algumas casas, em alguns pontos a aglomeração formava um povoado. Deixávamos o comboio para partir a pé. Já nas ruas do vilarejo podíamos visualizar a rampa íngreme de quatro ou cinco quilômetros que continuava a elevar-se até o cume. Essa elevação talvez fosse a origem do nome Monte Castelo que batizava o local.

O texto acima é um fragmento da narrativa que fizemos dos dois pracinhas que lutaram na Segunda Guerra Mundial. A crítica literária desta vez sim abordará a prosa hilstiana e está a cargo da Julliane. A Película de Retalhos desta semana novamente conta com a colaboração do cineasta Vander Colombo. Na página ele tratará do filme Velvet Goldmine de 1998, dirigido por Todd Haynes. Na academia de idéias duas colaborações, uma do Dr. José Luiz Ames, professor da Unioeste de Toledo, sobre São Tomás de Aquino, a outra é do acadêmico de jornalismo da USP, Vandson Lima, sobre a saída digital para a literatura. A edição estará muito interessante, não deixem de ler domingo.

Agora está funcionando mesmo o nosso chat aqui no blogue. Quem estiver visitando pode entrar e conversar com mais algum leitor ou mesmo nós da redação que sempre estaremos logados. A todos um ótimo fim de semana e lembrem: não deixem de ler o ALT. Saudações. Oniodi.

23
ago
08

orgânico

Saudações, meus caros. Notícias do fronte.

Sábado. 4h54. Fechamento.

Bom, mais uma vez entramos na madrugada de sábado para fechar o ALT desta semana. Desta vez as coisas foram difíceis mesmo, pois a matéria principal só pôde ser apurada na quinta-feira à noite e escrita na sexta, considerando que preenche a capa e as duas páginas centrais, dá para se ter uma idéia do trabalho que deu.

E gostamos (muito) do resultado que, aliás, você confere amanhã, na Gazeta do Paraná. Não deixe de ir à banca.

Lembrando que tem ainda dois artigos muito interessantes dos professores e pesquisadores José Ames e Claudinei Freitas da Silva, ambos da Unioeste (Universidade Estadual do Oeste do Paraná). Ames fala sobre o filósofo Marsílio de Pádua, e Freitas sobre a situação da Unioeste.

A Socióloga Laysmara Carneiro Edoardo assina o texto sobre o filme Gêmeos – Mórbida Semelhança, de David Cronenberg. O Mundo Sebo traz clássicos e o Emblogado reverbera anos 80. No Disco Compacto o álbum da vez é Quero voltar pra Bahia, de Paulo Diniz. A crítica literária é de Oniodi Gregolin sobre o livro Canoas e Marolas, de João Gilberto Noll. E o jornalista, músico e escritor Rafael Barzotto é quem assina o conto Raoul Duke ou William Faulkner?.

Esperamos que gostem da edição.

Um grande abraço a todos

Equipe ALT

21
ago
08

Batalha em progresso

Saudações, meus caros. Notícias do fronte.

Quinta-feira. Primeiro post.

A Ju e o Ander tiveram que sair para algumas missões no campo de batalha e me deixaram aqui cuidando de nosso QG. Hoje é dia de comentar a edição e não tenho muita prática nisso, mas vou tentar. hahahahha

Nossos queridos repórteres de campo Ju e Ander foram fazer uma matéria com os vendedores da famosa feirinha. Estou meio por fora e não sei o que eles estão aprontando por lá. Portanto, não posso dar mais detalhes. hehehe Não é nada certo, mas possivelmente teremos uma reportagem de Luiz Carlos Machado sobre o projeto A Escola vai ao Cinema do Sesc. Tudo depende do quanto a matéria da feirinha render. A crítica literária dessa semana é do livro Canoas e Marolas, de João Gilberto Noll, e ficou a cargo de Emanuel de Campos. O conto é de Rafael Barzotto, jornalista de Francisco Beltrão (ou como prefere dizer: “Jornalista por formação, vocalista por insistência e escritor por desespero”). José Luiz Ames (Doutor em Filosofia e professor da Unioeste) e Claudinei Aparecido de Freitas da Silva (Doutor em Filosofia pela UFSC e Professor da Graduação e Pós-Graduação – Mestrado – em Filosofia da Unioeste), ambos de Toledo,  recheiam a editoria Academia de Idéias com artigos sobre o filósofo Marsílio de Pádua e sobre a Unioeste. Por fim, Laysmara Carneiro Edoardo e Vander Colombo falam do filme Gêmeos – Mórbida Semelhança, de David Cronenberg.

Acho que é isso. Se faltou algo, voltaremos a postar aqui no blog. Fiquem agora com uma animação de Andreas Gaschka chamada The seed, a semente. A trilha foi feita por Virko Hortien.

Abraços.

ALT




Feed do ALT

Twitter

Pub


Outra Pauta


Firefox 3