Posts Tagged ‘gazeta

30
nov
09

estamos vivos

Sim, contra todas as expectativas, estamos vivos neste 30 de novembro.

Os prazos foram cumpridos, os trabalhos entregues, e vidas foram salvas. E depois de 17 dias longe dessa nossa extensão virtual, deixamos aqui esse sinal do retorno da vida altiana a parâmetros humanos.

As atualizações devem voltar a ser frequentes. Acompanhe pelo feed ou siga-nos pelo Twitter: @anderground; @julliane; @hiharry.

Por hora é isso.

Logo (e agora é sério) mais novidades.

Até

ALT

 

 

 

 

 

18
nov
08

gravando? ok!

Neste fim de semana nós da redação do ALT nos reunimos com amigos na casa do nosso ilustríssimo Anderson para congraçar nossas relações fraternais e tudo mais. Parece um tanto meigo esse assunto, mas não. Nossas atividades com outros grandes amigos são estritamente de cunho intelectual, cultural e diversionista. Mas toquei neste assunto porque naquela noite assistimos um filme recém-lançado no mercado. Não nos perguntem como conseguimos, acho que apareceu no jardim da casa do Ander, mas isso não vem ao caso. O filme é o thriller espanhol “REC”. Pasmem! Discussões à parte sobre a qualidade, o filme assusta. Acima postei o trailer da película que vale a penas ser assistida em qualquer cinema que esteja sendo rodado. Abaixo trecho de uma crítica retirada do blogue ALTO FALANTE.

“(…) É bem possível que varias pessoas digam que entregar a sinopse de “[REC]” seja uma forma de estragar a experiência do filme (detalhando, inclusive, que o próprio trailer não traz imagens do filme em si, mas apenas dos sustos da platéia durante uma exibição). Respeitando essa possibilidade, não vou falar da sinopse; sinceramente acreditando que afirmar se tratar de um filme de zumbi no estilo início do fim…, seja o suficiente. Entretanto, não tenho certeza se é bem por aí… obviamente é interessante acompanhar o desenvolvimento da história e ir descobrindo o que acontece junto com as personagens; mas é visível que o roteiro, a sinopse, não é nem de longe o mais importante em “[REC]”. Se nas produções do atual cinema comercial as imagens vêm se tornando cada vez mais um mero meio para o desenvolvimento do roteiro, em “[REC]” o roteiro não passa de suporte para o clima/experiência almejada pelos realizadores.

E é exatamente aí que aí que o filme se faz e ganha o espectador: no clima. Fazendo a usual comparação tosca, “[REC]” talvez seja algo muito parecido com um passeio em um Trem Fantasma realmente muito bom. Pouco importa a história, as reviravoltas ou mesmo o desenvolvimento dramático – o melhor em “[REC]” é a possibilidade de ser seqüestrado pelo filme e passar a (quase) vivenciar o caos que ele retrata/constrói. Muito além dos planos amplos e límpidos, o caos na técnica da imagem de “[REC]” serve como um meio para aproximar o espectador do espetáculo, derrubando com a segurança de poder olhar o écran de longe e com distração. Nos curtos 70min de duração, o espectador começa com o tédio inicial de acompanhar a criação de uma reportagem furada sobre o Corpo de Bombeiros e termina diante do registro “quase sem imagem” de pessoas sendo perseguidas e mortas por um terror sem explicação.

Nessa devoção pela construção do clima, “[REC]” faz uma opção interessante: ao contrário de “A Bruxa de Blair”, que se foca nas personagens e aposta no desenvolvimento delas, “[REC]” coloca essa característica em segundo plano e se foca quase exclusivamente na situação. Diferente de personagens construídas numa base dramática, as pessoas expostas na tela são basicamente simplificadas como vítimas da situação e nada mais. Se, assim, por um lado o filme abre mão de uma qualidade que poderia existir, por outro cria uma proteção contra o cinismo dos espectadores menos interessados – que por não se envolverem com as personagens terminam dando risada no cinema (vide o caso do citado “A Bruxa de Blair”).É bem possível que varias pessoas digam que entregar a sinopse de “[REC]” seja uma forma de estragar a experiência do filme (detalhando, inclusive, que o próprio trailer não traz imagens do filme em si, mas apenas dos sustos da platéia durante uma exibição). Respeitando essa possibilidade, não vou falar da sinopse; sinceramente acreditando que afirmar se tratar de um filme de zumbi no estilo início do fim…, seja o suficiente. Entretanto, não tenho certeza se é bem por aí… obviamente é interessante acompanhar o desenvolvimento da história e ir descobrindo o que acontece junto com as personagens; mas é visível que o roteiro, a sinopse, não é nem de longe o mais importante em “[REC]”. Se nas produções do atual cinema comercial as imagens vêm se tornando cada vez mais um mero meio para o desenvolvimento do roteiro, em “[REC]” o roteiro não passa de suporte para o clima/experiência almejada pelos realizadores.

E é exatamente aí que aí que o filme se faz e ganha o espectador: no clima. Fazendo a usual comparação tosca, “[REC]” talvez seja algo muito parecido com um passeio em um Trem Fantasma realmente muito bom. Pouco importa a história, as reviravoltas ou mesmo o desenvolvimento dramático – o melhor em “[REC]” é a possibilidade de ser seqüestrado pelo filme e passar a (quase) vivenciar o caos que ele retrata/constrói. Muito além dos planos amplos e límpidos, o caos na técnica da imagem de “[REC]” serve como um meio para aproximar o espectador do espetáculo, derrubando com a segurança de poder olhar o écran de longe e com distração. Nos curtos 70min de duração, o espectador começa com o tédio inicial de acompanhar a criação de uma reportagem furada sobre o Corpo de Bombeiros e termina diante do registro “quase sem imagem” de pessoas sendo perseguidas e mortas por um terror sem explicação.

Nessa devoção pela construção do clima, “[REC]” faz uma opção interessante: ao contrário de “A Bruxa de Blair”, que se foca nas personagens e aposta no desenvolvimento delas, “[REC]” coloca essa característica em segundo plano e se foca quase exclusivamente na situação. Diferente de personagens construídas numa base dramática, as pessoas expostas na tela são basicamente simplificadas como vítimas da situação e nada mais. Se, assim, por um lado o filme abre mão de uma qualidade que poderia existir, por outro cria uma proteção contra o cinismo dos espectadores menos interessados – que por não se envolverem com as personagens terminam dando risada no cinema (vide o caso do citado “A Bruxa de Blair”). (…)”

Vale a pena conferir. Sem mais, uma boa semana a todos. Oniodi.




Feed do ALT

Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Pub


Outra Pauta


Firefox 3